quarta-feira, 11 de julho de 2012

Deus faz tudo por você



Ó Deus, nós ouvimos com os nossos ouvidos, e nossos pais nos têm contado os feitos que realizaste em seus dias, nos tempos da antiguidade. Como expeliste as nações com a tua mão e aos nossos pais plantaste; como afligiste os povos e aos nossos pais alargaste. Pois não conquistaram a terra pela sua espada, nem o seu braço os salvou, e sim a tua destra, e o teu braço, e a luz da tua face, porquanto te agradaste deles. Salmo 44.1-3



Nos tempos bíblicos, os israelitas transmitiam dos pais aos filhos o que o Senhor havia feito com eles. Reviver os atos de Deus trazia à memória os maravilhosos feitos do Altíssimo e avivava a fé daquele povo. Quanto aos filhos, se, em gerações futuras, precisassem de ajuda em razão de alguma tragédia ou um ataque do maligno, eles confiariam nAquele que nunca falha.


O Senhor deseja fazer em nossos dias o que realizou no passado. Ele não tem preferidos nem preteridos (2 Cr 19.7). Ao verificarmos como o povo do Senhor conseguiu a operação divina – e se fizermos o que os nossos irmãos do passado fizeram –, obteremos a mesma ajuda dispensada a eles. Aliás, tudo o que foi registrado nas Escrituras tem o propósito de nos ensinar.


Sem a ajuda de Deus, ao sermos atacados pelas forças do mal, poderemos ser derrotados. Jesus veio para nos dar vida em abundância (Jo 10.10), mas, infelizmente, para muitas pessoas, isso nunca aconteceu. Existem cristãos que têm necessidade de tudo, mas, mesmo orando, não conseguem a operação celestial. Será que temos transmitido a eles a Mensagem real? A única verdade é que o Senhor é fiel (2 Co 1.18a).
O povo de Deus entrou na Terra da Promessa, porque, quando chegou o momento exato, o Altíssimo expeliu as nações que lá existiam. Ora, a nossa hora chegou no dia em que Jesus morreu no Calvário. Precisamos seguir as orientações das Escrituras, pois quem prestar atenção ao que lhe é ministrado pela pregação da Palavra e leitura bíblica receberá a fé e, com ela, o poder necessário para vencer.


A mão divina, da qual tanto necessitamos operando em nosso favor, é a mesma que agiu na vida dos filhos de Israel. Se conquistarmos o que a Bíblia nos garante, teremos o poder do Altíssimo guerreando por nós. De fato, o Senhor agirá em favor dos que depositarem a confiança em Sua Palavra. A obra não será feita por força nem por violência, mas pelo que o Santo Espírito fala ao seu coração (Zc 4.6b).


Se você aceitou Jesus como seu Salvador, já foi plantado na Terra das Promessas – o Evangelho. Então, Deus afligirá o inimigo e fará de você um vencedor. O que Ele diz é o que fará! Portanto, faça da Palavra o alvo da sua vida; assim, verá o Varão de guerra lutando por você (Êx 15.3). A destra do Senhor, Seu braço forte e a luz da Sua face o levarão à vitória. Alegre-se, pois Deus Se agradou de você!


Em Cristo, com amor,


R. R. Soares

Liberdade ao orar



“para que agora seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, no qual temos ousadia e acesso em confiança, pela nossa fé nele.” Efésios 3.10-12

Uma das primeiras verdades que aprendi quando comecei a freqüentar uma Igreja Evangélica foi a de que podemos falar diretamente com Deus, com confiança, pela Graça que nos foi dada mediante o sacrifício de Jesus.
Antes, nunca havia ouvido falar a respeito.
Essa Boa Nova me fez perceber o quanto havia vivido enganado com aquela conversa de que, nós “pobres humanos”, deveríamos dirigir nossas orações somente aos “santos” e não a Deus.
Senti muito pelo tempo perdido, mas ao mesmo tempo fiquei empolgado com a liberdade que esta informação me possibilitou! Como a Palavra diz em II Coríntios 3.16 “Contudo, convertendo-se um deles ao Senhor, é-lhe tirado o véu. Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade”.
Sim, há liberdade! Nunca mais uma oração vazia, ou uma reza, uma promessa, ou palavras sem alma, dirigidas a quem não poderia me ouvir e que nunca produziram fruto algum para o bem.

Hoje, após alguns anos de evangelho, penso sempre que não devemos menosprezar o valor de uma oração. Devemos tomar o cuidado de não voltar a agir como nos tempos da ignorância, tornando a fazer da oração apenas mais uma “reza”, uma mera formalidade de “crente”.
E sabemos bem que após algum tempo no banco da igreja podemos ser “tentados” a orar somente por um costume admitido.
A oração não deve ser assim, e se assim o for, melhor ficar calado (Provérbios 17.28), pelo menos até que se torne à verdadeira razão.

Devemos ser ousados ao orar, sabendo que somos ouvidos nos céus e que seremos conhecidos nas regiões celestes pelas nossas palavras, tendo em mente que o véu foi rasgado em dois, de alto a baixo (Marcos 15.38) nos permitindo livre acesso ao Pai.
Hebreus 10.19-21 deixa isso muito claro: “Tendo pois, irmãos, ousadia para entrarmos no santíssimo lugar, pelo sangue de Jesus, pelo caminho que ele nos inaugurou, caminho novo e vivo, através do véu, isto é, da sua carne, e tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus”.
Lembre-se, esse caminho é novo e vivo! Não é um costume!
Afinal, você está entrando no santíssimo lugar e tendo um relacionamento com o Deus vivo!

Quero lhe convidar neste dia a meditar sobre nossas orações: Elas tem sido verdadeiras? Tenho expressado o meu verdadeiro caráter ou tenho “camuflado” algumas coisas? Tenho buscado nestes momentos uma comunhão real com o Pai ou apenas estou “gastando meu tempo”?
Se algo está errado conosco, isso deve ser mudado. Deus apenas espera nosso pedido de ajuda.

O véu já se rasgou, Deus já fez o impossível para que nós chegássemos a Ele.
E a nossa parte? Até quando esperar para rasgar o nosso coração e se achegar a Ele?

Seu chamado vem ecoando pelos séculos até chegar a você e a mim: “e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” II Crônicas 7.14

Que as nossas orações sejam a cada dia mais verdadeiras e mais próximas de um relacionamento saudável entre um Pai amoroso e seu filho querido, do que apenas uma lista de pedidos ou uma mera formalidade.

Um abraço,

IIGD Piraquara.

Gostaríamos muito de ouvir sua opinião, comente!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Filme baseado em livro de R R Soares vai para o Cinema



O filme Três histórias, um destino pode ser exibido também nos cinemas nacionais. A informação é do diretor executivo
da Graça Filmes, Ygor Siqueira. “Estamos trabalhando para lançar o filme nos cinemas em 2012. Ainda não posso confirmar a data nem dar mais detalhes, mas garanto que todos vão gostar da produção, e a história vai falar ao coração de muitos”, afirma Ygor.

tres-historias-um-destino-01

A película, com base em livro homônimo do Missionário R. R. Soares, narra três histórias paralelamente: a de Frank, um ministro empenhado na expansão da sua congregação, o qual decide assumir as rédeas da situação às custas de seu ministério e do verdadeiro Foco; de Jeremiah, um garoto que cresceu em uma família disfuncional, a qual o pôs de lado, e foi abraçado pelas ruas e por seus valores questionáveis; e de Elizabeth, filha de uma mãe controladora, que, dentro da igreja, encontra seu amor – o qual é provado pelo tempo e pelas circunstâncias.

tres-historias-um-destino-02
Dirigido por Rob Travelier, Três histórias, um destino foi produzido na Carolina do Norte, Estados Unidos, com o título Destiny Road, e é uma parceria da Graça Filmes com a Uptone Pictures.


Em janeiro, R. R. Soares esteve nos EUA e assistiu à primeira versão do longa, ainda sem efeitos especiais ou tratamento de imagem e som. Na ocasião, declarou: “Tive de enxugar as lágrimas alguma vezes. Como se diz na gíria atual: vai bombar”.

Por que te desvias do teu caminho?





"Por que te desvias tanto, mudando o teu caminho? Também do Egito serás envergonhada, como foste envergonhada da Assíria." Jeremias 2.36



Deus sabe o que é bom para Seus filhos, por isso Ele nos aponta o caminho a ser seguido para que desfrutemos do melhor que Ele criou. Sem dúvida, não há nada mais maravilhoso do que aquilo que Ele preparou para nós. Desprezar as orientações do Altíssimo é como confessar que não crê em Sua onisciência e também que, diferentemente do que as Escrituras afirmam, Ele não é tão bom, puro e perfeito.
Seguir o rumo que o Senhor traçou para nós sempre será a melhor opção. Os que, porém, decidirem não aceitar nem cumprir a vontade do Pai verão, no final, que passaram desnecessariamente por muitas tribulações e não conseguiram tudo o que desejavam. O que o homem conceber, ou aceitar, fora da Palavra de Deus jamais será o melhor para ele. Como Pai perfeito, Ele aponta para Seus filhos a estrada da felicidade eterna.


No caminho para onde Ele nos direciona não cabe a nossa vontade, pois, como ele é apertado, requer que o atravessemos como que nos espremendo e, portanto, deixemos para trás o que nos prejudicaria de algum modo. Ao final, porém, chegaremos livres de tudo o que nos teria impedido de desfrutar do plano perfeito divino. Caminhar nessa trilha é questão de confiar no Deus onisciente e onipotente, que, por natureza, é amor.


Esse caminho é o da Verdade, e, nEle, somos dirigidos pelo Santo Espírito. Se, por acaso ou intencionalmente, tomamos algum atalho, por menor que seja ele, logo percebemos que há trevas envolvendo-nos, e a nossa alma começa a se inquietar. Se continuarmos, chegaremos à região do pecado, na qual a paz e a comunhão com o Senhor é cortada; então, o que resta é tristeza, depressão e completa vergonha em todos os sentidos.


Havendo desvio – seja ser pequeno ou grande –, a vergonha virá sobre quem não se submeteu completamente à vontade divina. As suas orações não serão mais respondidas, suas decisões passarão a ser as piores possíveis, e, com isso, nada mais lhe restará a não ser a vergonha tanto no mundo material como no espiritual. Quem não é atendido no que pede ao Senhor deve verificar se tem andado ou não no caminho.


Dar desculpas de que não sabe qual é o propósito do Pai para sua vida não adiantará, pois, desde o primeiro dia em que você ouviu a Boa-Nova, já soube qual é a sua missão. Se você está contrário aos planos divinos, saiba também que está jogado em um espaço onde o inimigo o tem nas mãos.


Os que desejam viver bem, livres das opressões e vencendo qualquer batalha devem voltar imediatamente a caminhar segundo a direção do Senhor. Viver na rebeldia só trará infortúnios – e o pior é que, se você não se acertar com Deus, estará para sempre condenado ao suplício eterno.


Em Cristo, com amor,


R. R. Soares

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Por que te iraste?



Você já parou para pensar como é curioso e espantoso que, por muitas e muitas vezes na vida nós passamos por momentos em que nos sentimos injustiçados, menosprezados ou até mesmo depreciados?!
Quero meditar contigo a respeito disso porque, por muito tempo, na minha ingenuidade, pensava que ser Cristão nos garantia um “status” de ser inatingível. Talvez você já o tenha pensado assim; que uma vez recriados em Cristo e feitos nEle novas criaturas as contrariedades desta vida seriam mais facilmente sobrepujadas.
Na realidade não o é tão simples assim, e creio que, se o fundamento da nossa Fé não estiver muito bem alicerçado (Mateus 7.24) não poderíamos vencer aquilo que penso ser o maior inimigo de um Cristão, o esmorecer.

Quero destacar aqui que esse pensamento de sermos inatingíveis é muito perigoso para nossa Fé, pois digamos que, o “excesso de confiança” no que não é uma verdade absoluta, certamente nos trará um desapontamento, que por sua vez, facilmente se transforma numa semente maligna em nós.
Temos sim que estar atentos ao mundo em nossa volta sempre tendo fixos os olhos em Cristo (Hebreus 12.2).
Durante nossa caminhada, fatalmente o inimigo irá procurar maneiras de nos colocar em situações onde uma série de acontecimentos culmine com um desapontamento, um aborrecimento, uma injustiça ou qualquer outra coisa que nos faça sentir inferiorizados ou depreciados.

Creio que todos já passamos por isto alguma vez e poderíamos relatar algumas ou várias histórias de pessoas que passam por este momento e acabam sem saber como agir.
Mas para exemplificar, gostaria de usar a já conhecida por todos nós, história de Caim.
Ele passou por, digamos, um desapontamento, mas não soube lidar com isso, mesmo tendo sido aconselhado por Deus.
Abel e Caim haviam feito ofertas a Deus, mas o Senhor atentou somente para a oferta de Abel, o que fez Caim irar-se (forte sintoma de quando nos sentimos contrariados não é mesmo?!) em seguida tendo descaído o semblante (temos aqui o famigerado desanimo!).

“Então o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? e por que está descaído o teu semblante?” Genesis 4.6
Percebemos que o Senhor não atentou para a oferta de Caim, mas nem por isso o havia abandonado. 
De outra forma, Deus não o teria inquirido, tendo em seguida o aconselhado como vemos a seguir:
“Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? e se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar.” Genesis 4.7

Vemos aqui algo muito importante que não devemos esquecer enquanto Cristãos; eu posso sim algumas vezes me sentir desapontado, aborrecido, inferiorizado, depreciado ou injustiçado, mas isso de forma alguma é motivo para esmorecer e entregar o jogo.
Isso na verdade deve ser motivo para que nos levantemos e façamos algo a respeito do que esta acontecendo.
É isso que Deus espera de nós e creio que seja por isso que o Senhor permita que seus filhos passem por momentos assim.

Note que até irar-se e descair-lhe o semblante, Caim ainda não havia caído em pecado, mas por não proceder bem o pecado entrou em seu coração e o dominou.

Temos então que, ao passar por um revés na vida isso não significa estarmos errados, mas isso pode fatalmente se transformar em uma porta para o erro se não tivermos domínio sobre o que sentimos.
Por este motivo volto a dizer, o pensamento de sermos inatingíveis é muito perigoso e abre portas para que em determinadas situações venhamos a agir errado.
Devemos ter em mente que somos sim filhos do Deus altíssimo, co-herdeiros com Cristo, mas que também somos totalmente dependentes de seu Amor e de sua Graça.

Se você abandonou o caminho por algo parecido com o que tratamos nesta mensagem, VOLTE!
Deus sempre aguarda seus filhos de braços abertos. (Lucas 15.21-24).

Se você esta desanimado por algo que lhe aconteceu ou que lhe fizeram, PERDOE, ESQUEÇA!
O Senhor diz: “Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante?” Genesis 4.7

Se isso nunca lhe aconteceu, mantenha seus olhos em Cristo, vigie e ore (Mateus 26.41)
“...sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar.” Genesis 4.7

Devemos estar atentos, satanás quer esmorecer os nossos corações e dado o tamanho de seu esforço para tal, podemos imaginar que certamente há um imenso propósito por traz disso.

“Porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus. Porquanto a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que também a própria criação há de ser liberta do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus.” Romanos 8.19-21

Um abraço,

IIGD Piraquara

quinta-feira, 5 de julho de 2012

A palavra da verdade na tua boca


"E de minha boca não tires nunca de todo a palavra de verdade, pois me atenho aos teus juízos." Salmo 119.43

Deus concedeu à Sua Palavra o poder de criar todas as coisas. Quando Ela nos é revelada, vencemos a batalha contra o mal. Então, já não precisamos mais clamar pela libertação, mas exigir que o sofrimento saia em Nome de Jesus. Nenhuma palavra enviada pelo Senhor deixará de fazer a obra para a qual Ele a enviou. Jesus disse que os céus e a terra passariam, mas as Suas palavras jamais haveriam de passar (Lc 21.33).

O bom de tudo é que a divina Palavra ainda mantém Seu poder como na criação. Tendo sido entregue a você, Ela é sua, e, naquele assunto, você se tornou autoridade. Se, por exemplo, há 40 anos, você recebeu uma cura pela Palavra, mas agora o mal está voltando, firme-se no que Deus lhe prometeu e exija que a enfermidade vá embora. Não se esqueça de que os dons divinos são irrevogáveis!

O pecado o separa de Deus (Is 59.2), e, enquanto ele existir em sua vida, o Senhor estará com os ouvidos fechados para o seu clamor. No entanto, quando você confessar seu erro e o abandonar, a comunhão será restaurada. Se sentir que está sendo disciplinado em razão de algo que fez, aja como o salmista, o qual orou pedindo que não lhe fosse tirada a palavra de verdade, sem a qual o homem não tem força.

O segredo é ater-se aos juízos de Deus, pois todas as declarações que Ele faz a nosso respeito são decisões que jamais serão canceladas e, por já lhe terem sido reveladas, são suas. Então, mesmo sentindo que o Senhor está disciplinando-o por algum caminho errado que você tomou, lembre-se de que, por causa do seu amor aos juízos divinos, se clamar ao Senhor, Ele não retirará de você totalmente Sua Palavra.

Por não haver a menor possibilidade de tais juízos serem revogados, ou não serem honrados, exija a saída do mal que o incomoda, baseando-se no juízo que corresponde à sua necessidade. Por exemplo, se você precisa da cura divina, determine a saída do mal, firmando-se na afirmação bíblica a qual declara que fomos sarados pelas chagas de Jesus (1 Pe 2.24b). A sua determinação tem o poder para desfazer as obras de Satanás!

A sua oportunidade é agora, enquanto estiver por aqui. Após a segunda vinda de Jesus – ou depois da morte –, não haverá opressão ou enfermidade para ser expulsa. Por que deixar para depois? Por que não assumir o que lhe pertence em Cristo? Atendo-se aos juízos, a palavra de verdade não lhe será tirada.

A melhor hora para tomar a decisão contra o mal que o ataca é quando você entende sua posição diante de todas as coisas. Neste momento, por lhe ter revelado a Sua decisão, o Pai está olhando para seu coração. Se exigir a saída do mal em Nome de Jesus, o Senhor mesmo fará a obra. Só depende de você!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Somos insensatos além da conta


"Mas o meu povo não quis ouvir a minha voz, e Israel não me quis. Pelo que eu os entreguei aos desejos do seu coração, e andaram segundo os seus próprios conselhos." Salmo 81.11,12

Ouvir o Criador é aprender com o Ser mais sábio que existe em todo o Universo. Além de ser o que é, Ele é o nosso Pai; por isso, jamais nos daria um conselho que não fosse o melhor. Sem dúvida, nada se assemelha à sabedoria que sai dos lábios do Altíssimo, a qual é ministrada a quem se dispõe a ouvi-lO. Os que aprendem com Ele, que é manso e humilde de coração (Mt 11.29), tornam-se bem-sucedidos. 

Por causa do pecado de Adão, a inclinação do homem é não ouvir a voz de Deus. A pessoa sabe que o Senhor jamais engana, que Ele conhece todas as coisas e Seus conselhos são os melhores, mas, na hora de decidir entre uma tentação e o que Deus fala, quase sempre vence a inspiração diabólica. Depois, vem a tristeza, o desespero, e, então, quem não Lhe deu ouvidos suplica pelo perdão e promete emendar-se.

É incrível, mas o homem foge da vida, e a natureza humana procura a morte. É preciso negar ao manhoso corpo e seus desejos, ou, então, todo o ser queimará na fogueira eterna. Quem deseja ser bem-sucedido na vida e não quer juntar-se aos perdidos precisa tomar urgentemente uma posição e vencer a resistência do mal que não o deixa curvar-se ao Deus santo. Cuidado com a morte eterna!

O homem que procura realizar os desejos do seu coração, ainda que sejam imundos ou perversos, não dá ouvidos ao Santo Espírito. O pior é que ele parece cego, pois não vê o buraco sem fundo diante dele. Ele troca o Senhor por uma felicidade momentânea e falsa, que lhe provoca as maiores dores.

A verdade é que o ser humano sempre procura andar segundo os próprios conselhos. Todos são rápidos para decidir sem refletir e, por isso, agradam ao inimigo, quando deveriam deixá-lo furioso. No entanto, a cada proposta, é preciso refletir no que diz a santa Palavra de Deus, pois, sem ela, haverá tropeço a cada decisão. Veja o que você tem assumido sem consultar o Senhor e, então, prepare-se para ter aborrecimentos.

Ao lado de cada coisa útil, permitida e abençoada concedida a nós pelo Pai, o inimigo cria e coloca seus imundos desejos. É preciso julgar sempre pelo que diz o Senhor, para que você não tropece nos obstáculos colocados em sua vida. Nunca se deixe levar pelas mentiras do inimigo.

Siga as orientações que Deus lhe dá pela Palavra, ainda que elas estejam contra a sua vontade; agindo assim, você jamais vacilará. O Altíssimo não o adverte à toa. Ele quer o seu melhor e, por isso, fala a você pela Escritura. Diga sim Àquele que o ama de verdade.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores